Dia 15 – Maldivas

Olá,

Como tudo o que é bom acaba, esta a chegar ao fim esta nossa viagem que terá sido a primeira de muitas, obrigado por nos terem acompanhado e esperamos que tenham vivido através das fotos deste blog um bocadinho daquilo que nós vivemos pelos sitios onde passamos.

Hoje já iniciamos a jornada de regresso a casa.

Até já, deixamo-vos com as ultimas fotos do paraiso.

“A man travels the world in search of what he needs and returns home to find it.”
“Um homem viaja pelo mundo à procura do que precisa e regressa a casa para o encontrar.”

— George Moore

Todas as fotos que colocámos aqui no blog podem ser vistas aqui: http://www.flickr.com/photos/barbosas/sets/72157635389111191/

 

Dia15_1

Dia15_2

Dia15_3

Dia15_4

Dia15_5

Dia15_6

Piscina_Junto copy

Dia 14 – Maldivas debaixo de água

Os nossos dias, aqui nas Maldivas, são passados entre snorkeling e descanso.

Fizemos uma seleção de fotos que tirámos debaixo de água para mostrar.

 

Peixinhos, peixinhos e mais peixinhos

P1010269 copy

P1010298 copy

P1010300 copy

P1010359 copy

P1010361 copy

P1010380 copy

P1010412 copy

Um tubarão
P1010436 copy

P1010461 copy

P1010518 copy

P1010531 copy

Raias
Dia13_26

Dia 13 – Maldivas

O dia aqui começa bastante cedo, por volta das 6h30 já mais ninguém dormiu com o entusiasmo de explorar a ilha (a ilha onde se localiza o Maafushivaru tem 500 metros de comprimento e uma volta matinal em que 10 minutos chegam a andar muito devagar, é verdadeiramente pequena).

Pequeno-almoço tomado e fatos de banho e material de snorkeling envergados fomos em busca dos recifes, em modo amador. De manhã fomos ao enganado para uma zona que tem poucos corais, mas ficámos extasiados! Vimos mantas pequeninas, estrelas do mar e outros que não sabemos o nome.

Da parte da tarde tínhamos marcado uma aula de iniciação ao recife de coral e, pois bem, lá fomos nós. Andámos à volta da ilha pela barreira de coral é impressionante a quantidade de coral existente à volta desta ilha e ainda mais o declive da plataforma oceânica depois do coral – mete meeedo! Terminada a iniciação fomos explorar os melhores spots para fazer snorkeling mais perto da areia 🙂 desta vez, vimos peixe-palhaços, o famoso Nemo (peixe-palhaço) e os amigos dele:a Dori (Cirurgião-Patela) e outros…

O final da tarde foi passado apreciar o fantástico por-do-sol maldiviano

Panorama_Praia

Dia13_24

Dia13_25

A Rita a explorar a ilha
Dia13_6

O bar
Dia13_8

O restaurante
Dia13_10

A rita a fazer que estava distraída 🙂
Dia13_14

A caminho do quarto
Dia13_15

Dia13_16

Dia13_18

Material do snorkeling
Dia13_23

A ver o por-do-sol
Dia13_29

Por-do-sol do nosso alpendre
Dia13_30

O bronze de 2 dias
Dia13_32

As water villas
Dia13_33

Um fruto cá da zona
Dia13_27

Raias
Dia13_26

Um eremita
Dia13_28

Pormenores
Dia13_34

Dia13_35

Dia 12 – Maldivas

Começámos o dia às 5h, uma vez que teríamos que fazer o caminho de volta a Colombo para apanhar o avião rumo ao último destino: Maldivas. 5 da manhã estávamos nós a dizer, com avião para Malé (capital das Maldivas) às 13:30, não nos podíamos atrasar para apanhar o avião e ainda eram 250km! LOL Nós explicamos melhor: aqui no Sri Lanka as estradas são boas, mas são caóticas, há sempre imenso transito é uma espécie de nacional 125 no Verão e portanto os 250 km demoraram cerca de 6h a percorrer.

À parte deste stress matinal conseguimos embarcar no avião rumo a Malé e, depois, no hidroavião, rumo ao nosso paraíso: e olhem que é mesmo! Check in feito fomos conhecer a nossa casa dos próximos dias. Apesar de cansados não resistimos a dar o nosso primeiro mergulho nestas águas quentes e cristalinas, duas palavras para caracterizar isto tudo: bru-tal!

 

Já com o cartão de embarque do Hidroavião
Dia12_1

No terminal dos hidroaviões
Dia12_2

No lounge do hotel no aeroporto à espera de boleia
Dia12_3

A nossa boleia
Dia12_4

A cara de panico da Rita
Dia12_5

Íamos praticamente a conduzir o avião
Dia12_6

Dia12_9

Malé (Capital das Maldivas)
Dia12_7

Uns resorts que fomos vendo no caminho
Dia12_8

Acabadinhos de aterrar (reparem na cara da Rita)
Dia12_10

Chegamos
Dia12_11

Os nossos aposentos dos próximos 5 dias
Dia12_12

Beijinhos e Abraços

Nos próximos dias metemos fotos da ilha 😉

 

Dia 11 – Nuwara Eliya

A manhã do dia de hoje foi passada no jardim botânico da cidade de Kandy, um dos jardins botânicos mais antigos da Ásia.
Seguimos, depois, em direção a Nuwara Eliya, a última cidade do Sri Lanka que vamos visitar. Esta cidade é um dos pontos mais altos do país localizada a cerca de 2000m de altitude (escusado será dizer que não investigámos o suficiente sobre o clima de todas as cidades que íamos visitar e portanto, nesta, passámos um bocado de frio). Encosta acima vimos diversas cascatas e plantações de chá a perder de vista, esta é a principal atividade económica desta região. Aproveitámos a oportunidade e visitámos uma fábrica de chá construída em 1921. E, para não destoar, o hotel escolhido para dormirmos foi uma antiga fábrica de chá que, nos anos ’90, foi reconvertida em hotel.

No jardim botanico ainda em Kandy vimos um casamento Sri Lankês
Dia11_1

Dia11_1a

Uma arvore grande
Dia11_1b

Morcegos
Dia11_2

A caminho de Nuwara Eliya, plantações de chá
Dia11_3

Dia11_3a

Visitamos uma fábrica de chá
Dia11_3b

Uma cascata no caminho
Dia11_3c

Mercado da cidade de Nuwara Eliya
Dia11_4

Dia11_5

Dia11_6

Dia11_7

Dia11_8

Dia11_9

Dia11_10

O nosso hotel, uma antiga fabrica de chá reconvertida
Dia11_11

Dia11_12

“Apanhadoras” de folhas de chá
Dia11_13

Dia 10 – Kandy

Hoje foi um dia muito preenchido. Começámos bem cedo em direção a Kandy. Pelo caminho parámos para visitar um templo escavado nas rochas que tem para lá de 3000 Budas, muitos frescos e ainda mais macacos (pequenos, grandes e gémeos, sim macacos gémeos)!

Seguiu-se a visita a um dos vários spice gardens localizados nas imediações da estrada e  que consistem basicamente em observar as árvores/arbustos que dão as diversas especiarias cá da zona, óleos e matérias-primas etc – a Rita até ganhou um pulseira diretamente extraída da árvore da borracha.

Momento alto do dia: fomos a um Templo Budista que diz que guarda os dentes do Buda (tem uma história de salvamento dos dentes do Buda engraçada). Então e o que temos que fazer quando vamos a um templo? Tirar os sapatos, o chapéu da cabeça e assegurar que não temos as pernas descobertas acima do joelho (não podemos . 1.º problema: o Pedro tinha os joelhos à mostra (2 dedos acima do joelho); já embrulhado numa encharpe com borboletas entrámos e larga-se a chover, e nós de meias… e para acabar em grande a visita: não vimos os dentes do Buda porque são demasiado sagrados para poderem ser vistos por nós (diz que estão guardados dentro de uma caixa à qual não conseguimos aceder.

A parte da tarde foi passada a visitar uma loja de roupa tradicional, de produtos de madeiras aqui do Sri Lanka e por fim uma loja de pedras preciosas e semi-preciosas.

No final da tarde fomos assistir a um espetáculo de danças tradicionais de Kandy, o qual gostámos muito.

Beijinhos e Abraços

O hotel em Kandy
Dia10_0

Templo dourado
Dia10_1

Templo da caverna (tudo isto foi escavado em rocha no topo da montanha)
Dia10_4

Dia10_5

Dia10_6

Um macaco com gemeos
Dia10_2

Umas velhotas
Dia10_3

No jardim de ervas e especiarias (cravinho)
Dia10_1a

No templo do dente (onde estão os dentes do Buda), tive de vestir uma “saia” porque ia com os joelhos à mostra
Dia10_6a

Dia10_7

Dia10_8

Um monge a comprar tabaco
Dia10_9

Espetáculo de danças tradicionais
Dia10_10

Dia10_11

Dia10_14

Dia10_15

Dia10_16

Dia10_12

Dia10_17

A Rita vestida com um Shari
Dia10_13

Dia 9 – Habarana

Tínhamos combinado dizer ao motorista para sairmos as 10h porque já começamos a estar muito cansados, mas quando lhe perguntámos na noite anterior, ele muito sorridente disse: 8h!
A manhã foi passada a visitar Polonnaruwa, uma antiga cidade agora resumida a calhaus e olhem que a nossa imaginação até foi boa a tentar reconstruir edifícios através de ruínas. Já no fim da visita tivemos um pequeno problema com as fotografias ao Buda, é que para além de descalços, sem chapéu na cabeça não poderíamos tirar uma fotografia a nós com o dito – é uma coisa cá deles -, ou seja fotos do Buda só podem aparecer com ele.
Acabados de ver a “cidade antiga” fomos em direção ao Parque Nacional Minneriya., onde vimos diversas aves, búfalos, raposas, elefantes e até um cão! LOL Mas o ponto alto foram mesmo os elefantes!

Beijinhos e Abraços

O nosso “hostal” em Habarana (era mesmo no meio do mato, por isso é que a net não funcionava muito bem)
Dia7_1

Dia7_2

Dia7_3

 

A Rita a fazer amigos no Sri Lanka
Dia7_4

 

Num templo
Dia7_5

 

Água de coco laranja é muito mais doce que do coco castanho
Dia7_6

 

Uma navalhita
Dia7_7

 

Elefantes, Elefantes, mais Elefantes e Nós com os Elefantes:

Reparem que o 1º elefante leva uma cria lá de baixo, iam a protege-lo
Dia7_8

 

Estes estavam a brincar às lutas, tivemos que fugir com o jipe à pressa

Dia7_9

 

A Rita a olhar para elefantes, eram mais de 60/70 estavam muito perto de nós, só mesmo vendo.

Dia7_10

 

Não há uma fotografia com o Pedro que se aproveite, escolhemos esta

Dia7_11

 

Aqui aparecem os elefantes quase todos, já do outro lado do lago, cliquem para ver maior, são várias imagens coladas

Dia7_12

Dia 8 – Colombo – Sigirya

Hoje acordámos em Colombo, a capital do Sri Lanka. De manhã fizemos um tour pela cidade e seguimos para Habarana. As estradas são francamente melhores do que as da Índia, mas em compensação são em menor número (existe uma estrada nacional que liga as principais cidades e no país uma autoestrada) e talvez um pouco menos caóticas. E foi em Colombo que começámos a saga dos templos Budistas: para entrar temos que descalçar os ténis e, em alguns locais, tirar o chapéu da cabeça (a maioria dos lugares sagrados são a céu aberto).
A caminho do destino final fomos visitar um monumento património da humanidade: Sigiriya. Sigiriya é, basicamente, um rochedo proeminente numa paisagem de altitude baixa e que foi utilizado como fortaleza.
O desafio de hoje era subir até ao topo o rochedo.

Beijinhos e Abraços

Marginal de Colombo
Dia6_0

 

Nózes
Dia6_1

 

Por Colombo
Dia6_2

 

Um templo budista
Dia6_3

 

Monges Budistas
Dia6_4

 

Antes da subida a Sigirya (Sigirya é aquele calhau lá ao fundo)
Dia6_5

Depois da subida e completamente estoirados (são mais de 1200 degraus assim meio a pique)
Dia6_6

 

Lá no topo já com o folgo recuperado (mais ou menos)
Dia6_7

Dia 7 – Jaipur – Delhi – Colombo

Hoje foi dia de deixar a Índia e rumar ao Sri Lanka, para isso tivemos de fazer uma viagem de 250km entre Jaipur e Delhi.
Antes de sairmos, o nosso motorista (o Ram) pediu-nos se podiamos fazer um pit-stop em casa dele, que fica numa aldeia a cerca de 2h de Delhi (na Estrada para Jaipur), e nós dissemos que sim.
Este foi o único ponto de destaque do dia, a viagem foi muito cansativa, o que retivemos foi apenas a horita que passámos em casa do Ram. O termo casa aqui é aplicado de forma genérica, pois são 4 paredes com uma espécie de camas que servem de sofá a quem aparece, um frigorifico, uma ventoinha gigante e pouco mais, em redor da casa tem uma quinta com plantações de milho e outras culturas não identificadas, tem também cães, vacas e búfalo(a)s.
Como bom anfitrião ofereceu-nos uns “snacks” locais e um chá que tinha leite das búfalas dele, medo!!

Beijinhos e Abraços

Nós com a família do Ram
Dia5_0

 

Despedida
Dia5_1

 

No avião para colombo
Dia5_2